Prolapso dos orgãos pélvicos (POP) – Capítulo IV

ARTIGOS MÃES&FILHOS

Incontinência urinária

O pavimento pélvico e a sua importância na saúde da mulher: Capítulo IV – Prolapso dos orgãos pélvicos (POP) 
Como continuação das disfunções do pavimento pélvico, no capítulo de hoje desmistificamos um nome menos comum – o Prolapso dos Órgãos Pélvicos (POP).
Recordamos que as disfunções do pavimento pélvico podem levar a diversos problemas como:
  • Incontinência Urinária;
  • Incontinência Anal/Fecal;
  • Prolapso uro-genital (POP);
  • Alterações da função sexual;
  • Dor Pélvica;
O que é um prolapso de um órgão pélvico?
Corresponde á descida de um ou mais órgãos pélvicos (bexiga, útero, recto) com aparecimento ou não do mesmo no exterior (através da vagina, ânus ou “pipi”). Ocorre pois estruturas como tendões, músculos e ligamentos que suportam estes órgãos sofrem algum tipo de lesão nervosa, trauma ou perdem a sua força.
Quais os tipos de prolapsos existentes?
  1. Rectocelo: Prolapso do recto (rectum): Muitas vezes a mulher refere uma necessidade de dar suporte ao períneo enquanto faz “cócó”.
  2. Cistocelo: Prolapso da bexiga (bladder)
  3. Histerocelo: Prolapso do útero (Uterus): Sensação de peso na vagina no final do dia, sensação de ter um ovo ou bola na zona da vagina.
Prolapso orgão pélvico
Pode-se classificar o grau do prolapso de acordo com a sua posição na pélvis.
  • Estádio 0: Sem descido do órgão durante um esforço;
  • Estádio I: Orgão posiciona-se mais que 1cm a cima do hímen;
  • Estádio II: Orgão posiciona-se entre 1cm acima até 1cm abaixo do hímen;
  • Estádio III: Orgão encontra-se mais que 1cm abaixo do hímen (para o exterior);
  • Estádio IV: Eversão completa do órgão.
Dados, estatísticas e factores de risco:
  • O POP (prolapso dos órgãos pélvicos) tem uma prevalência de 5-10%;
  • A gravidez acarreta um maior risco de POP tardiamente. 50% das mulheres perdem algum mecanismo de suporte pélvico provocado pelo parto (Brubaker et al, 2002);
  • A multiparidade aumenta o risco. Apenas 2% das mulheres nulíparas desenvolvem prolapso (Mascarenhas, 2010);
  • Não é claro que a cesariana evite o POP;
  • Esforço expulsivo prolongado no trabalho de parto ou peso fetal maior que 4kg poderão ajudar no desenvolvimento de um POP;
  • Vários estudos apontam a histerectomia e outras cirurgias pélvicas como factores que aumentam o risco de POP;
  • Realização de trabalhos pesados ao longo da vida pode provocar um alongamento permanente das estruturas do períneo;
  • O estiramento muscular crónico resultado da obstipação está intimamente ligado com o risco de desenvolver POP.
Sinais e Sintomas:
  •  Sintomas urinários: Incontinência urinária de esforço, frequência e urgência urinária, sensação de esvaziamento da bexiga incompleto, sensação de dificuldade em iniciar a micção.
  • Sintomas intestinais: Dificuldade no esvaziamento, incontinência fecal (perda de gases ou fezes), urgência defecatória, saída do recto durante ou após evacuação, dor.
  • Sintomas sexuais: Dor na relação sexual, incontinência durante a relação sexual, insatisfação ou incapacidade para atingir orgasmo.
  • Outros sintomas: Sensação de pressão ou peso vaginal, dor na pélvis, sensação de que a vagina está saída (estes sintomas normalmente desaparecem na posição de deitada).
Tratamento:
O Tratamento conservador vs. cirurgia:
O prolapso sem sintomatologia significativa não tem indicação para cirurgia. 58% das mulheres intervencionadas cirurgicamente voltam a ter prolapso e cerca de 1/3 terá de ser operada novamente. (Braekken et al, 2010).
O fortalecimento do períneo mesmo após cirurgia, garante melhores resultados a longo prazo (Faisal & Sotelo, 2010) e melhoria da qualidade de vida (4th international consultation on incontinence).
A Fisioterapia:
Constitui um dos tratamentos conservadores com menos efeitos secundários e não impede futuras acções como a cirurgia caso o tratamento conservador não seja eficaz.
Os músculos do pavimento pélvico estão sujeitos a um trabalho contínuo ao longo da vida. Pelo o que necessitam de um treino regular para se manterem saudáveis. Sabe-se que as mulheres com prolapso têm diminuição significativa da força dos músculos do pavimento pélvico e a severidade do prolapso parece aumentar com a disfunção do pavimento pélvico.
Assim, um pavimento pélvico forte é fundamental no suporte dos órgãos pélvicos.
Notas adicionais:
  •  O treino do pavimento pélvico ajuda a prevenir ou retardar a deterioração de prolapso (evidência de grau B segundo o 4th international consultation on incontinence);
  • Uma avaliação por ecografia, após o treino dos músculos do pavimento pélvico, mostrou uma alteração na posição da bexiga e do recto, sendo demonstrada a eficácia da fisioterapia. (Braekken et al, 2010).

CONTE CONNOSCO PARA A SUA RECUPERAÇÃO!

Fisioterapia Mães&Filhos

Inês Cancela de Abreu

Fisioterapeuta

Saiba mais sobre o tratamento de fisioterapia no aumento da força do períneo

Incontinência urinária